A EJA E O TEMPO: A NEGAÇÃO DA COETANEIDADE DE UMA POLÍTICA PÚBLICA EDUCACIONAL

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Alef de Oliveira Lima

Resumo

O presente texto aborda etnograficamente a temporalidade relacionada à Educação de Jovens e Adultos (EJA). Trata-se de problematizar as questões dos usos do tempo e da política pública educacional, por meio do trabalho de campo (feito entre 2016/2017), realizado no Colégio de Aplicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (CAp. UFRGS), em Porto Alegre. Para tanto, recorro a uma reflexão antropologicamente orientada a desnaturalização das temporalidades justapostas à EJA como modalidade pedagógica. Indagando: 1. Por quais maneiras o tempo é pensado e definido nas matrizes documentais que direcionam a escolarização de jovens e adultos? 2. Como os sujeitos que retornam à escola, com suas intermitências, percebem o tempo? No plano metodológico, escolhi escrutinar criticamente o Parecer do Conselho Nacional de Educação de n. 11/2000, que teve o Professor Dr. Carlos Roberto Jamil Cury como relator, em conjunto com as duas resoluções que orientam as diretrizes legislativas da EJA, respectivamente: a resolução de n. 3, promulgada em 15 de junho de 2010 e a resolução n. 1 de 2 de fevereiro de 2016.  A partir dessa configuração “político-institucional”, busco apresentar um conjunto de depoimentos de alguns discentes da EJA do Aplicação. Assim, descortino diferentes naturalizações e percepções do tempo que, conjuntamente, parecem um “canteiro” de obras e ideais educacionais nunca terminados ou efetivados, mas, sempre tomados em estado de latência, incorporadas as práticas ideológicas que compõe a própria política e a subjetividade das pessoas – negando a coetaneidade de sua atuação e sentido.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
de Oliveira Lima, A. (2021). A EJA E O TEMPO: A NEGAÇÃO DA COETANEIDADE DE UMA POLÍTICA PÚBLICA EDUCACIONAL. Revista Científica De Educação, 5(1), e021026. Recuperado de http://seer.facmais.edu.br/rc/index.php/RCE/article/view/91
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Alef de Oliveira Lima

Possui Licenciatura Plena em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Atualmente pesquisa nos campos da Antropologia da Educação e da Aprendizagem com foco nos temas das identidades de gênero, diversidade, escolarização e reconhecimento 

Referências

ABU-LUGHOD, Lila.; LUTZ, Catherine. Introduction: emotion, discourse, and the politics of everyday life. In: ABU-LUGHOD, L.; LUTZ, C. Language and the Politics of Emotion. New York. Cambridge University Press, 1990.

AGUIAR, Raimundo Hélvetico Almeida. Educação de Jovens e Adultos no Brasil: políticas (des)legitimação. 2001. 171 f. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2001.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude. Os herdeiros: os estudantes e a cultura. Santa Catarina: Ed. UFSC, 2013.

BRASIL, Ministério da Educação, Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CEB no 11/2000, de 10 de maio de 2000. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf . Acesso em 08 de março de 2018.

BRASIL, Ministério da Educação, Conselho Nacional de Educação. Resolução n. 3 de junho de 2010. Disponível em: <http://confinteabrasilmais6.mec.gov.br/images/documentos/pdf >. Acesso em 23 de maio de 2019.

BRASIL, Ministério da Educação, Conselho Nacional de Educação. Resolução n. 1 de 2 de fevereiro de 2016. Disponível em:< http://www.lex.com.br/legis_27087071> . Acesso em 24 de maio de 2019.

CARVALHO, Isabel Cristina M.; STEIL, Carlos A.; GOMES, Ana Maria R. Cultura e Aprendizagem. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 21, n. 44, 2015.

FABIAN, Johannes. O tempo e o Outro: como a antropologia estabelece o seu objeto. Petrópolis: Vozes, 2018.

FREUD, Sigmund. Luto e Melancolia. Trad. Marilene Carone. São Paulo: Cosac Naify, 2011.

GELL, Alfred. A antropologia do tempo: construções culturais de mapas e imagens temporais. Tradução de Vera Joscelyne. Petrópolis: Vozes, 2014.

GOMES, Candido A.; CARNIELLI, Beatrice L. Expansão do Ensino Médio: Temores Sobre a Educação de Jovens e Adultos. Cadernos de Pesquisa, n.119, 2003, p. 47-69. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/n119/n119a03.pdf. Acesso em 10 de set de 2017.

GUSMÃO; QUADROS; DIETZ (Orgs.). Apresentação: Antropologia, Educação, Alteridades e Desigualdades. Revista ANTHROPOLÓGICAS, Recife, v. 27, n. 1, 2016.

HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Campinas, Cadernos Pagu, n. 5, 2009, p.7-41.

LIMA, Alef de Oliveira. A intermitência escolar: questões etnográficas sobre a escolarização de jovens e adultos. In: Grossi, Miriam Pilar; SILVA, Simone de Lira, et al (Orgs.). Conference Proceedings Anais (18th IAUES Word Congress). Florianópolis: Tribo da Ilha, p. 110-119, 2018.

LAVE, Jean. Aprendizagem como/na prática. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 24, n. 44, 2015, p. 37-47.

LAVE, Jean; PACKER, Martin. Hacia una ontología social del aprendizaje. Revista de Estudios Sociales, Bogotá, n. 40, 2011, p, 12-22.

MACHADO, Maria Margarida. A educação de jovens e adultos após 20 vinte anos da Lei no 9.394, de 1996. Retratos da Escola, Brasília, v. 10, n. 19, 2016, p. 429-451.

PAIVA, Jane. Educação de Jovens e Adultos: direito, concepções e sentidos. 2005. 482 f. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2005.

RIVERA, Tânia. Entre dor e Deleite. Rio de Janeiro, Novos Estudos CEBRAP, n. 94, p. 231-237, 2012.

SOARES, Leôncio (Org.). Educação de Jovens e Adultos: o que revelam as pesquisas. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.