LIMITES DA FORMAÇÃO DE EDUCADORAS/ES AMBIENTAIS NAS LICENCIATURAS

Autores

  • Marcos Antonio da Silva
  • Hugo Marques Cabral

Resumo

Este artigo resulta de um estudo investigativo sobre a formação proporcionada pelos Cursos de Licenciatura de uma Instituição de Ensino Superior (IES) que contribuem para qualificar os alunos como educadoras/es ambientais. Esta IES está localizada em Goiânia –Go e a pesquisa foi realizada no ano de 2012. O estudo caracterizou-se como exploratório e descritivo, com levantamento de dados, revisão teórica e documental e cotejamento das matrizes curriculares para verificar conteúdos relacionados a questões ambientais inseridas na formação. A pesquisa abrangeu alunos dos Cursos de Licenciatura da IES-GO ingressos em 2012/2. Verificou-se, no conjunto dos resultados obtidos que não há uma formação que contemple adequadamente a EA no contexto dos conteúdos adotados em todos os cursos, apesar de sua regulação e inegável importância. Concluise que é necessária ocorrer a transversalidade no ensino-aprendizagem acerca da EA nas licenciaturas da IES-GO, considerando que são cursos potencialmente capazes de formar educadores ambientais, desde que se processem iniciativas inovadoras pela Instituição e ações docentes que contribuam para a superação dos problemas verificados na natureza e comprometidos com a sustentabilidade em suas dimensões políticas. Assim, é preciso incentivar procedimentos de ensino-aprendizagem que contemplem tais questões nas matrizes curriculares, nos planos de ensino e no processo que caracteriza o conjunto da formação do professorado que irá atuar desde a pré-escola até o ensino médio.

Biografia do Autor

Marcos Antonio da Silva

Doutor em Educação pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Campus Marília e Professor da Escola de Formação de Professores e Humanidades da Pontifícia Universidade Católica de Goiás.

Hugo Marques Cabral

Mestre em Ecologia e Produção Sustentável da Pontifícia Universidade Católica de Goiás.

Referências

BARNOSKY, A. D. et al. Has the Earth's sixth mass extinction already arrived? Nature, v. 471, n. 7336, p. 51-57, 2011.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: apresentação dos temas transversais, ética. Brasília: MEC/SEF, 1997.

______. Ministério do Meio Ambiente, Diretoria de Educação Ambiental; Ministério da Educação. Coordenação Geral de Educação Ambiental. Programa nacional de educação ambiental - ProNEA. 3. ed. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2005.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Ética e cidadania: construindo valores na escola e na sociedade. Brasília: MEC; SEB, 2007.

BOURDIEU, P. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983.

______. O poder simbólico. 4. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

BUFREM, L. S.; FREITAS, J. L. Organização transversal do conhecimento: possibilidades na área da informação. Ponto de Acesso, Salvador, v. 2, n. 3, p. 43-57, dez. 2008.

CAPRA, F. A teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. Trad. de Newton Roberval Eichemberg. 13. ed. São Paulo: Cultrix, 1999.

CARVALHO, I. C. de M. Educação ambiental crítica: nomes e endereçamentos da educação. In: LAYRAGUES, P. P. (Coord.). Identidades da educação Ambiental brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004.

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO (1992: Rio de Janeiro): a Agenda 21. Brasília: Senado Federal, 1996.

GADOTTI, M. Pedagogia da Terra. São Paulo: Fundação Peirópolis, 2000.

HEINO, J.; VIRKKALA, R.; TOIVONEN, H. Climate change and freshwater biodiversity: detected patterns, future trends and adaptations in northern regions. Biological Reviews, v. 84, n. 1, p. 39-54, 2009.

KÖRNER, C. Ecological impacts of atmospheric CO2 enrichment on terrestrial ecosystems. Philosophical Transactions of the Royal Society of London. Series A: Mathematical, Physical and Engineering Sciences, v. 361, n. 1810, p. 2023-2041, 2003.

LOUREIRO, C. F. B. Educação ambiental transformadora. In: LAYRARGUES, P. P. (Coord.). Identidades da educação ambiental brasileira. Brasília: MMA; DEE, 2004.

PAVIANI, J. Disciplinaridade e transdisciplinaridade. Seminário Internacional Interdisciplinaridade, Humanismo, Universidade, Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 12 a 14 de novembro 2003. Disponível em: http://www.humanismolatino.online.pt>. Acesso em: 11 mar. 2012.

PIRES, M. F. de C. Multidisciplinaridade, interdisciplinaridade e transdisciplinaridade no ensino. Interface, v. 2, n. 2, p. 173-182, 1998.

SILVA, M. A. da. Entorno do Parque Nacional das Emas: uma proposta de mediação educativa conservacionista. Estudos. Goiânia, v. 25, n. 1 / 2, p. 129-137, jan./jun. 1998.

______. A educação, a pesquisa e a ciência: limites em formar para produzir conhecimento. In: ______; BRZEZINSKI, I. (Orgs.). Formar professores-pesquisadores: construir identidades. Goiânia: Ed. da PUC Goiás, 2011.

SILVA, M. Prefácio. In: LAYRARGUES, P. P. (Coord.). Identidades da educação ambiental brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004.

STEFFEN, W.; CRUTZEN, P. J.; MCNEILL, J. R. The Anthropocene: are humans now overwhelming the great forces of nature. AMBIO: A Journal of the Human Environment, v. 36, n. 8, p. 614-621, 2007.

WILSON, E. O. A conquista social da terra. 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

Publicado

2019-07-29

Edição

Seção

Em Debate