O CONCEITO DE QUILOMBO: HISTÓRIA E MEMÓRIA

Autores

  • Maria Edimaci Teixeira Barbosa Leite Faculdade de Inhumas - FacMais

Resumo

Este trabalho consiste em uma reflexão sobre o método da história cultural, buscando explicitar a constituição histórica do conceito de quilombo, assim como, o significado dado aos quilombos pelos habitantes da cidade de Paranã-Tocantins. Nesse sentido, a pesquisa que resultou neste artigo visou compreender o processo de construção das memórias que dão identidade aos quilombos no contexto histórico em que foram constituídos. Assim, esta pesquisa é fruto de reflexões sistematizadas, com base em fontes bibliográficas e ancorada nos estudos teóricos e metodológicos desenvolvidos por Maurice Halbwachs (2003) Alberti (2004), Koselleck (1992) Tiballi (2006) acerca da memória coletiva e da história cultural.

Biografia do Autor

Maria Edimaci Teixeira Barbosa Leite, Faculdade de Inhumas - FacMais

Pedagoga; Mestre em Educação; Doutoranda pela PUC Goiás; Professora de Rede Municipal de Educação de Goiânia; Membro do Grupo de Pesquisa Educação, História, Memória e Culturas em Diferentes Espaços Sociais.

Referências

ALMEIDA, Maria Zeneide Carneiro M. de. Educação, História, Memória e Culturas em Diferentes Espaços de trijunção Goiás, Minas Gerais e Tocantins. Projeto de Pesquisa. PUC-GO. 2007.

ALMEIDA, Maria Zeneide Carneiro M. de. Educação e Memória: velhos mestres de Minas Gerais(1924-1944). Brasília, UNB. Tese de doutorado,2009.

ALBERTI, Verena. Manual de História Oral. 3ª. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

BARROS, José D’Assunção. O Campo da História: especialidades e abordagens, Petrópolis: Vozes, 2004.

BRASIL. Artigo 68 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias e os artigos 215 e 216 da Constituição Federal, a Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho e os Decretos 4.887/2003 e 6.040/2007.

BURKE, Peter. O que é história cultural? Tradução de Sérgio Goes de Paula. 2ª ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora. 2008.

BLOCH, Marc. Apologia da história ou o ofício de historiador. Rio de Janeiro. Ed. Zahar/2001.

CARRIL, L. de F. B. Quilombo, território e Geografia. Revista Agrária. Nº 3. São Paulo, 2006.

CARVALHO, Maristela Francisco de. Implantação da Comunidade Integradora do Curso de Licenciatura em Educação do Campo no Município de Paranã–TO: Conquistas, possibilidades e desafios dos alunos remanescentes de quilombos no acesso e permanência a graduação. UFTO. Paranã-TO, 2016.

CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1990.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. 18 ed. Tradução Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

COORDENAÇÃO Estadual das Comunidades Quilombolas do Estado do Tocantins (COEQTO); Alternativas para Pequena Agricultura no Tocantins (APA-TO). Os Territórios Quilombolas no Tocantins. 1ª ed. Palmas, 2012.

DOMINGUES, P.; GOMES, F. Histórias dos quilombos e memórias dos quilombolas no Brasil: revisitando um diálogo ausente na lei 10.639/031. Revista da ABPN, v. 5, n. 11, jul/out 2013, p. 05-28. Disponível em:http://www.abpn.org.br/Revista/index.php/edicoes/article/viewFile/397/276. />Acesso em 01/09/16.

FERREIRA, Marieta de Moraes. História Oral Multidisciplinaridade. Rio de Janeiro-RJ: Diadorim editora Ltda, 1994.

FREIRE, Gilberto. Casa-grande & senzala. Rio de Janeiro: José Olímpio, 1976.

FUNDAÇÃO CULTURAL DOS PALMARES. http://www.palmares.gov.br/archives/46698. Acesso em 28/09/17.

GATTI, Bernadete A & ANDRÉ, Marli. A relevância dos métodos de pesquisa qualitativa em Educação no Brasil. In: WELLER, Wivian e PFAFF, Nicole (org.), Metodologias da pesquisa qualitativa em Educação. Teoria e Prática. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes 2010, p.21-37.

GONÇALVES, Paulo Rogério, APA-TO. 2012. Cartilha Quilombola. Os Territórios Quilombolas no Estado do Tocantins. Alternativas para Pequena Agricultura no Tocantins.http://www.apato.org.br/documentos/cartilha-quilombolas-do-tocantins-web.pdf. Acesso /> em 12/09/2016.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Trad. Beatriz Sidou. São Paulo: Centauro, 2003/2004.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro Passado. Contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto/Ed.UERJ, 2006.

LEI COMPLEMENTAR Nº 19, DE 05 DE JANEIRO DE 1996. http://www.mpgo.mp.br/portalweb/hp/9/docs/lc_19-96.pdf LUIZ ALBERTO MAGUITO VILELA (D.O. de 10 e 22-01-1996). Acesso em 23/09/2017.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M.E.D.A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Manual de História Oral. 4 ed. São Paulo: Loyola, 2002.

NASCIMENTO, Abdias. O quilombismo: documentos de uma militância pan-africanista. Petrópolis: Editora Vozes, 1982.

NOGUEIRA, Teresinha de Araújo Magalhães; FERRO, Maria do Amparo Borges. A Escola: memórias de um lugar em que mantemos raízes. In: FERRO, Maria do Amparo Borges; NASCIMENTO, Francisco de Assis de Sousa; SOUSA, Lourenilson Leal de. (Orgs.). História da Educação: novos olhares, velhas questões. Teresina: EDUFPI, 2009, p. 109-120.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. História & história cultural. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

REIS, João José. Identidade e Diversidade étnicas nas Irmandades Negras no Tempo da Escravidão. Tempo. Rio de Janeiro. Vol. 2, n 3, 1996.

SANTOS, Maria José dos. Mulheres Quilombolas: Memória é Acervo de Nossa História. Cadernos Imbondeiro. João Pessoa, v.2, n.1, 2012.

SILVA-SÁ, J. Ronie, ALMEIDA, C. Domingos de GUINDANI, J. L. Felipe. Pesquisa documental: pistas teóricas e metodologias. In: Revista Brasileira de História & Ciências Sociais, ano I- Número I- p.1-15, julho de 2009.

SILVA, Giselda Shirley da: SILVA Vandeir José da. Quilombos Brasileiros: Alguns aspectos da trajetória do negro no Brasil. Revista Mosaico, v. 7, n. 2, p. 191-200, jul./dez. 2014.

SILVA, Martiniano José. Quilombos do Brasil Central: Violência e Resistência Escrava. Goiânia: Kelps, 2003.

Publicado

2019-07-29

Edição

Seção

Artigos