O contextualismo linguístico para a compreensão da abordagem de Reggio Emilia

Autores

  • Milian Daniane Mendes Ivo Silva

Resumo

O objetivo do presente artigo consiste em analisar as contribuições teóricas e metodológicas propostas pelo historiador britânico Skinner para pensar a prática da história intelectual. A partir da leitura de alguns de seus principais textos metodológicos, especialmente Visões Politicas sobre os Métodos Históricos, buscando compreender as questões centrais que fundamentam o conhecido como “contextualismo linguístico”. Ao longo de sua obra, uma das questões que mais mobilizou Skinner foi o trabalho de problematizar a dimensão da interpretação dos significados contidos em textos passados, procurando para isso compreender em que termos autores, textos, contextos e linguagem devem ser articulados pelo historiador ao investigar uma obra histórica, um conjunto de ideias, um enunciado ou o pensamento de um determinado autor. Por último, pela perspectiva skinneriana uma compreensão da abordagem de Régio Emília idealizada por Loris Malaguzzi. Autor que dedicou-se incansavelmente por décadas junto a uma comunidade pedagógica: crianças, professores, pais, especialistas em educação, buscando aprimorar o sistema de escolas da pequena cidade de Reggio Emília na Itália. De caráter bibliográfico, este artigo contou com o aporte teórico de Carolyn Edwards, Leila Gandini e George (2002, 2016).

Biografia do Autor

Milian Daniane Mendes Ivo Silva

Graduada em Letras e Pedagogia (UEG). Mestra em Desenvolvimento Regional (UNIALFA-GO). Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação da PUC-GO. Membra do grupo de Pesquisa: Estudos e Pesquisas, Pensamento Educacional Brasileiro.

Referências

BAUMER, F. (1990). O pensamento europeu moderno. Lisboa, PT: Edições 70.

EDWARDS, Carolyn. As cem linguagens da criança: a abordagem de Reggio Emília na educação da primeira infância/ Carolyn Edwards, Leila Gandini, George Forman; tradução: Dayse Batista; revisão técnica: Maria Carmem Silveira Barbosa. Porto Alegre: Penso, 2016.

______________. Reggio Emilia: a imagem da criança e o ambiente em que ela vive como princípio fundamental. In: GANDINI, Lella; EDWARDS, Carolyn (Orgs). Bambini: a abordagem italiana à educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 2002. p.73- 80.

EDWARDS, Carolyn. GANDINI, Lella. FORMAN, George. As Cem Linguagens da Criança: a abordagem de Reggio Emilia na educação da primeira infância. Porto Alegre: Artmed, 1999. FARIA, Ana Lúcia G. Educação pré-Escolar e cultura: para uma pedagogia da educação infantil. Campinas, SP: Editora da Unicamp; São Paulo: Cortez, 1999. ______ . Da escola materna à escola da infância: a pré-escola na Itália hoje. Caderno Cedes, Campinas, SP, n. 37, p. 63-100, 1995. Grandes políticas para os pequenos Educação Infantil. ______. Impressões sobre as creches no norte da Itália: bambini si diventa. In: ROSEMBERG, Fúlvia; CAMPOS, Maria M. (Org.). Creches e pré-escolas no Hemisfério Norte. São Paulo: Cortez/Fundação Carlos Chagas, 1994. ______ . Prefácio à edição italiana. In: ONGARI, Bárbara; MOLINA, Paola. A educadora de creche: construindo suas identidades. São Paulo: Cortez, 2003.

FERES JÚNIOR, J. (2005). De Cambridge para o mundo, historicamente: revendo a contribuição metodológica de Quentin Skinner. Dados-Revista de Ciências Sociais, 48 (3), 655-680. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/218/21848307.pdf

JASMIN, M. G. (2005). História dos conceitos e teoria política e social: referências preliminares. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 20 (57), 31-32. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010269092005000100002&script

Koselleck, R. (2006). História dos conceitos e história social. In R. Koselleck. Futuro passado: contribuições à semântica dos tempos históricos (p. 97-118.). Rio de Janeiro, RJ: Contraponto.

MALAGUZZI, Loris. História, ideias e filosofia básica. In: EDWARDS, Carolyn; GANDINI, Lella; FORMAN, George. As Cem Linguagens da Criança: a abordagem de Reggio Emilia na educação da primeira infância. Porto Alegre: Artmed, 1999. p.59104.

POCOCK, J. G. A.(2003). Linguagens do ideário político. São Paulo, SP: Edusp. Silva, R. O. (2010). Contextualismo linguístico na história o pensamento político: Quentin

Skinner e o debate metodológico contemporâneo. Dados-Revista de Ciências Sociais, 53 (2), 299-335. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/dados/v53n2/02.pdf POCOCK, John G. A. Linguagens do ideário político. São Paulo: Edusp, 2003.

RABITTI, Giordana. À procura da dimensão perdida: uma escola de infância de Reggio Emilia/ Giordana Rabitti; trad. Alba Olmi. – Porto Alegre: Editora Artes medicas Sul Ltda.; 1999.

RINALDI, C. Diálogos com Reggio Emilia: escutar, investigar e aprender. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

SKINNER, Q. (2002). Visions of politics: regarding method. Cambridge, UK: Cambridge University Press.

SKINNER, Quentin. Meaning and understanding in the history of ideas. In: TULLY, James. (Ed.). Meaning and context: Quentin Skinner and his critics. Princeton: Princeton University Press, 1988.

The 10 best schools in the world, and what we can learn from them. (1991, December 2). Newsweek, p.50-59.

VIEIRA, C. E. (2009). História da educação e história da filosofia: culturas cruzadas a partir das concepções de história e de escrita da história em Hegel. Proposições, 20(1), 189-206. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pp/v20n1/v20n1a11

VIEIRA, C. E. Contextualismo linguístico: contexto histórico, pressupostos teóricos e contribuições para a escrita da história da educação. Rev. bras. hist. educ., MaringáPR, v. 17, n. 3 (46), p. 31-55, Julho/Setembro 2017

Publicado

2019-07-29

Edição

Seção

Artigos